26 de jun de 2016

Visita ao casarão que pertenceu ao Barão de Grão-Mogol

Realizei uma visita em 25 de Junho de 2016 ao casarão que pertenceu a Guálter Martins Pereira, o Barão de Grão-Mogol na Fazenda Angelica, Mata Grande, localizada em Ajapi, distrito da cidade de Rio Claro, interior de São Paulo. O Barão era um dos maiores produtores de café do país. A fazenda foi de sua propriedade entre 1881 e 1923.
Muitas histórias e lendas sobre o casarão são encontradas na internet, por isso minha curiosidade em conhecer o local.
Tive o prazer de conhecer na minha visita, o Sr. Ivair Rossi, proprietário e com quem conversei um pouco sobre a história do casarão.
É patrimônio histórico e cultural tombado pelo Condepahaat, porém, encontra-se em total deteriorização, o que constrange o Sr. Rossi, um senhor de 74 anos, extremamente gentil e bom papo.
Me contou que seu Avô Pedro Rossi foi quem comprou em 1923, o casarão que era do Barão.
Há muitas histórias contadas a respeito do Barão e confirmadas pelo Sr. Rossi, entre elas de que o mesmo prendeu sua esposa por 7 anos em um dos cômodos do casarão e que o mesmo assediava algumas escravas da fazenda, inclusive tendo filhos com algumas delas. Me contou o Sr. Rossi que de vez em quando aparecem pessoas que dizem ser netos e bisnetos do Barão. Contou-me também de furtos acontecidos há algumas décadas no casarão, onde pertences do Barão desapareceram.
Há também rumores de que no casarão já foram vistas algumas "assombrações", porém, isso é uma outra história.
O corpo do Barão encontra-se enterrado próximo ao casarão, conforme um pedido feito por ele mesmo e que havia sido registrado. Uma de suas netas é que descobriu o documento.
O local já foi tema jornalístico na Rede Globo através do programa da Ana Maria Braga e do Jornal EPTV. É fácil achar essas reportagens no Youtube.
Fato é que o local é histórico e extremamente interessante, apesar da degradação do prédio.
Escolas fazem visitas no local com frequência e há projeto de se tornar um ponto turístico.
Quero aqui deixar um agradecimento especial ao Sr. Ivair Rossi, proprietário do casarão e que permitiu que eu fotografasse o local.
Para chegar a fazenda onde está o casarão, o acesso é por uma estrada de terra que começa na via principal do distrito de Ajapi.
Seguem as fotos da minha visita.

Sr. Rossi, Eu e meu neto 

Início da estrada de terra 

Caminho para o casarão 

O casarão visto da estrada de terra 


Frente do casarão






Telhado deteriorado

Telhado deteriorado

Base de ferro maciço sustentando o teto 

Caixão que guardava pertences do Barão 

Telhado deteriorado

Janela de um dos cômodos

Trava para correntes usada nos escravos

Carroças antigas

Pequena parte do gado

Túmulo onde está enterrado o Barão 


10 comentários:

  1. gostei do registro fotografico, resgata um pouco da historia, e preserva a memoria, parabens William

    ResponderExcluir
  2. Parabéns William. Lindas imagens e excelente texto. O triste fica por conta, da não preservação de patrimônios da nossa história, como esse.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado. Infelizmente a deteriorização adiantada do casarão é muito triste. Tomara que dê tempo de recuperar. Abraço.

      Excluir
  3. Uma pena um lugar desse ainda não está restaurado por inteiro!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Raquel, é lamentável mesmo o descaso das autoridades com esse patrimônio tombado. Triste.

      Excluir
  4. Passei muitas férias de infância no casarão. Minha avó Julieta tinha medo, mas o Tio Toninho nos levava.Lugar repleto de história e assombrado pelo passado. Ouvíamos e víamos muita coisa ali. Espero retornar.

    ResponderExcluir
  5. fascinante, que paisagem linda, somente os restos do barão estão no local??e seus familiares? o acesso só pode ser de carro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Roza. Os restos mortais do Barão estão sepultados ali. Os familiares não.
      Olha, o acesso é só de carro mesmo. Obrigado pela visita.

      Excluir
  6. Rosana de alvarenga26 de janeiro de 2018 13:57

    Bonito documentário; sou carioca mas minhas filhas nasceram em RIo Claro sou fascinada por essa época e adoro ver as antigas fazendas

    ResponderExcluir

Olá
Deixe seu comentário e identifique-se.
Credibilidade é tudo.
Grande abraço e obrigado.